segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Furacões cada vez mais fortes

Desde 2005 que o oceano Atlântico não era tão castigado com ciclones tropicais. A temporada de 2008, iniciada a 1 de Junho e que terminou a 30 de Novembro, registou 17 ciclones, dos quais oito assumiram a forma de furacões, com ventos a atingirem velocidades superiores a 240 quilómetros por hora.

O Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (NHC), entidade responsável pela observação destes fenómenos meteorológicos, alerta para o aumento da força destes furacões e consequente crescimento dos danos provocados.

Só este ano, o número de mortes directamente relacionadas com estas tempestades é superior a 800 e os prejuízos são incalculáveis, estimando-se terem superado os 35 mil milhões de euros.

"Segundo o painel intergovernamental para as alterações climáticas (IPPC), o número anual de ciclones tropicais tem-se mantido estável. O que se verifica, desde 1970, é uma tendência para serem cada vez mais intensos", explicou fonte do Instituto de Meteorologia, sublinhando existir uma "correlação com o aumento da temperatura da água do oceano na região dos trópicos".

Pela primeira vez na história das observações destes fenómenos – os primeiros dados remontam a 1851 –, seis ciclones tropicais tocaram o solo dos Estados Unidos (‘Dolly’, ‘Edouard’, ‘Fay’, ‘Gustav’, ‘Hanna’ e ‘Ike’). Recorde semelhante verificou-se em Cuba, que sofreu consequências de três grandes furacões (‘Gustav’, ‘Ike’ e ‘Paloma’). Os dados do NHC revelam também que esta foi a primeira temporada a registar furacões de forte intensidade (categoria três ou superior) em cinco meses consecutivos.

Apesar dos recordes, a temporada de 2008 ficou distante dos números verificados em 2005, quando se registaram mais de 2200 mortes e prejuízos superiores a 130 mil milhões de euros, totalizando 28 ciclones.

A temporada de furacões mais activa de sempre foi em 2005, totalizando 28 ciclones tropicais. Dos 15 que chegaram a furacões, quatro atingiram a categoria cinco na escala de Saffir-Simpson. Neste número encontra-se o furacão ‘Katrina’, o mais intenso de sempre na história do Atlântico.

As imagens de destruição impressionaram a comunidade internacional, levantando-se fortes críticas à intervenção da administração liderada por George W. Bush. Ainda hoje, o número exacto de mortes continua por apurar.

DISCURSO DIRECTO

"PORTUGAL ESTARÁ EM RISCO" (Costa Alves, Meteorologista)

Correio da Manhã – Como se explica o aumento de intensidade dos furacões?

Costa Alves – Pode ser enquadrado no fenómeno de aquecimento global. O grau de intensidade tem aumentado na medida que a atmosfera aquece a um ritmo mais acelerado do que o oceano. Em trinta anos, com as águas mais quentes o fenómeno será ainda mais intenso.

– Portugal está livre destes fenómenos?

– Dentro de vinte a trinta anos, poderemos ser alvo de sérios riscos. Nos Açores, com o aumento de categoria dos furacões que atravessam o arquipélago. No Continente, com as tempestades tropicais, que chegam ao nosso território já em perda de vitalidade, passarem a ser de categoria um, o que representa um risco elevado.

– Como será 2009?

– É uma incerteza. Não seria surpresa se fosse mais intensa, mas também não será se for mais tranquila.

André Pereira
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...