quarta-feira, 19 de agosto de 2015

Plantas zangadas confirmam mudanças climáticas na Antárctida

Não queira ver o fitoplâncton zangado. Estas microscópicas plantas do mar estão na base de uma cadeia alimentar nas águas que cercam a península da Antárctida e quando estão infelizes, tudo o que depende delas pode sofrer as consequências, incluindo peixe e pinguins. Um novo estudo publicado ontem na Science revela que uma parte deste fitoplâncton tem ficado cada vez mais “chateado” nos últimos 30 anos.

Como a maioria das plantas, fitoplâncton precisa de alimento e luz do sul para sobreviver. Para as espécies que vivem longe da costa oeste da península da Antárctica, a obtenção destes meios essenciais tem sido um desafio cada vez maior, algo que se pode constatar com a diminuição de 12 por cento registada nas última três décadas nas populações de fitoplâncton.

Investigadores do EUA perceberam este dado olhando para informação recolhida por satélite para seguir as pistas da quantidade de clorofila – um sinal da fotossíntese do fitoplâncton. – nas águas ao sul da península da Antárctica que aponta na direcção da América do Sul. Esta área é um bom local para procurar sinais das mudanças climáticas porque, no Inverno, aquece mais rápido do que qualquer outro lugar na terra. O fitoplâncton é um excelente marcador para as mudanças climáticas porque respondem rapidamente, por vezes no espaço de apenas um dia, à variação do ambiente e também porque há uma longa cadeia alimentar que depende da sua sobrevivência

O sol faz o fitoplâncton feliz

Devido às alterações nos padrões da atmosfera que rodeia a península – possivelmente, devido às mudanças climáticas - há actualmente céu nublado onde antes havia sol e vice-versa, diz um dos autores do estudo Martim Montes-Hugo da Rutgers University. No sul da península, as nuvens estão a diminuir e o sol está a derreter o mar gelado, libertando mais água para o sol penetrar, afirmou Montes-Hugo à Reuters. “Há mais água e por isso há penetração da luz, por isso o fitoplâncton está feliz no sul”, referiu.

No norte da península há mais nuvens e o mar de gelo está ainda mais reduzido. Aqui, a mudança de padrões atmosféricos trouxe mais ventos para agitar as águas, o que leva o fitoplâncton para maiores profundidades. Nestes níveis mais profundos estas pequenas plantas captam menos sol. “Isto enfurece o fitoplâncton”, refere Montes-Hugo. Como ouras plantas, o fitoplâncton absorve os dióxido de carbono responsável pelo efeito de estufa. Menos fitoplâncton significa menos dióxido de carbono absorvido. Uma diminuição de fitoplâncton na península da Antárctida significa menos comida para os pequenos crustáceos que, por sua vez, servem de alimento a peixes e por aí em diante na cadeia alimentar que chega até aos pinguins e outros animais.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...