domingo, 23 de agosto de 2015

Ano Polar Internacional acabou depois de estudar tudo o que vai dos micróbios às tempestades

Nas profundezas dos mares, polvos de variadas espécies ficaram agora a saber que não estão sós no mundo. Lá em baixo, no oceano austral, vivem ainda os descendentes daqueles que lhes deram origem, há uns 33 milhões de anos. Esta é apenas uma, entre centenas, de descobertas científicas obtidas ao longo do Ano Polar Internacional, que hoje teve o fim oficial.

“Um sucesso”, descrevem os organizadores. Há mais de 50 anos que não havia um esforço deste nível. Uma iniciativa que envolveu 60 países — entre os quais Portugal —, 160 projectos científicos e 940 milhões de euros, levou a que a investigadores de todas as áreas — de base física, natural, social e humanista — se dedicassem a estudar os pólos.

O gelo, o clima, os habitantes nativos, a vida natural, os poluentes, as correntes, nada ficou de fora desta iniciativa. Ontem, a Organização Meteorológica Mundial e o Conselho Internacional para a Ciência lançaram o relatório sobre o Estado da Investigação Polar, onde se dá conta de algumas destas descobertas.

Muitos dos dados recolhidos darão ainda azo a anos de trabalho. Mas há muitas conclusões que já se podem tirar. Uma das mais importantes diz respeito ao impacto das alterações climáticas. Avaliações aprofundadas das calotes polares da Antárctida e Gronelândia tornaram “evidente que estas estão a perder massa e a contribuir para o aumento do nível do mar.”

A Norte, o Árctico já não oferece dúvidas sobre as modificações que sofre. Durante o Ano Polar, a extensão mínima de gelo no Verão diminuiu cerca de um milhão de quilómetros quadrados em relação ao menor valor que já tinha sido observado através de satélite. No meio do Inverno, a camada de gelo era inusitadamente fina.

Observando as relações entre a atmosfera e o oceano, acumulou-se conhecimentos para melhor prever rotas e intensidades das tempestades. Seguiu-se a rota dos poluentes, para perceber como o que se despeja num ponto do globo pode chegar a outro, contaminando toda a cadeia alimentar até que, por fim, várias das piores substâncias regressam a casa do poluidor, e lhe são servidas à mesa.

Foram visitadas zonas não avistadas há 50 anos, usaram-se técnicas que permitem um estudo a uma grande escala e cruzaram-se informações de várias disciplinas. Descobriu-se uma imensa variedade de formas de vida e confirmou-se que já há espécies a migrarem em direcção aos pólos, fugindo do aquecimento nas águas onde costumavam viver.

Já outros sentem mais dificuldades de adaptação. É o caso das renas no Árctico, afectadas quer pelas mudanças no clima quer pela ocupação do seu habitat pelos homens.

No final deste esforço, todos apelam a que se continue a incentivar a investigação polar, cada vez mais urgente já que se comprovou que o que acontece nestas regiões afecta todo o mundo.

Em finais de Março, os trabalhos dos cientistas portugueses serão divulgados em Lisboa.

Ana Fernandes
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...